» Notícias


17/10/2016
Empresa cria materiais de construção sustentáveis e fatura R$ 4,8 milhões

O setor da construção civil é um dos mais afetados pela crise econômica no Brasil, o que impacta também a venda dos materiais necessários nas obras. Para continuar no mercado, é preciso se diferenciar de alguma forma. Gilberto Strafacci, 56 anos, é diretor da empresa Biomassa do Brasil e foi um dos desenvolvedores de materiais sustentáveis.

Strafacci trabalhava na área de equipamentos e tinha um amigo que sempre quis lançar algum produto para venda. Decidiu, então, unir-se a ele e desenvolver algo que estivesse dentro do setor que ele já conhecia. “Dessa vez, o filho demorou um pouquinho mais para nascer. Desenvolvemos a ideia durante um ano, estudando e testando fórmulas diferentes para os nossos produtos”, conta.
Com investimento inicial de R$ 600 mil, a Biomassa lançou seu primeiro produto – que leva o mesmo nome da marca – em 2010. “Ele substitui a argamassa profissional. Diferente dela, não leva cimento, areia, cal, água, mistura ou energia elétrica”, explica Strafacci.

Desenvolvida com polímeros, a biomassa (R$ 18) vem em embalagem aplicadora de 3 kg, no estilo de saco de confeiteiro. Segundo o empreendedor, essa embalagem pode ser usada em até 2 m² de parede. Para a mesma medida, usa-se 60 kg da massa tradicional feita à base de cimento. “É um produto ecologicamente correto e, por causa da facilidade na aplicação, mantém a obra limpa”, afirma.
Com o passar do tempo, a Biomassa do Brasil foi desenvolvendo outros itens. Dentre eles, está a biomassa piso e azulejo rápido (R$ 48, o saco de 5 kg), usada para a sobreposição em cima do piso velho, sem que seja preciso quebrá-los. Já a biotherm (R$ 360, a lata de 18 litros) é uma tinta refletiva com tecnologia de microesferas de vidro que, de acordo com Strafacci, diminui em até 10°C a temperatura de uma área externa.

Atualmente, Strafacci conta com uma equipe de quatro pessoas que são responsáveis por todos os processos da marca. Para esse ano, a Biomassa do Brasil pretende lançar mais dois produtos. “A biomassa de assentamento de bloco de vidro está sendo desenvolvida com exclusividade para a Leroy Merlin. É preciso 1 kg da massa convencional para apenas um bloco. Com o nosso produto, é possível usar apenas 300g”.

No último ano, o negócio faturou de R$ 400 mil a R$ 500 mil por mês e Strafacci espera que o crescimento em 2016 seja em torno dos 30%. Com um estande na Feira do Empreendedor SP, o empreendedor comenta que a procura é crescente. “Em toda feira que eu vou, percebo que ainda temos muito potencial para crescer. 99% das pessoas que param para saber mais do nosso produto nunca ouviram falar da marca e ficam muito interessadas.”

Mesmo assim, o empreendedor afirma que a maioria de seu faturamento não depende das construtoras. “A gente ganha mais com a revenda do nosso produto por lojas de materiais de construção”, finaliza.
Fonte: Pequenas empresas e grandes negócios